É poesia.Contarolando, já que não sei cantar,
Declamo! E declamo aos ventos
Os versos e os inventos que costumo sonhar.

Reclamo apenas por reclamar,
Do frio do rio que corre
E nem atenção me dá.

Então percorro cada abraço,
E de cada abraço tiro um verso
Para no fim ter um poema, algo a contarolar.

E ao ver castanho mar de olhos brilhantes,
Já nem me lembro se eu canto ou conto,
Apenas sei que é poesia. É, é poesia.

Nairon J. Alves
Maio, 1, 2013 às 21h50min.