Livre de qualquer inverdade,
Hoje sou eu um pouco de saudade
Da inocência que há muito perdi
E com um coração carregado de promessas,
Desapego daquilo que acho certo,
Até que o agora não o seja, então.
Peço mais que verdades,
Não vou mentir, nem vou fingir,
Peço saudades em abraços ternos
Quentes como as águas de uma praia tropical.
Certo de que já sei de tudo,
Faço-me de cego ou me finjo de mudo,
E vou estrada afora,
Seguindo a minha realidade inventada
Que, até então, ninguém deformou.
Por tanto, livre de qualquer inverdade,
Com o coração repleto de saudades
Eu desejo um romance
Com palavras em papel
E um sabor doce de amanhã
Ter a certeza de ser feliz.

Nairon J. Alves
Novembro, 29, 2012 às 22h07min.