Sou tudo e tanto
Quanto a minha alma permite
Extinguir a dor e a saudade
Nos teus sorrisos tristes
Pois é tão verdade
O olhar que vejo
No reflexo distorcido
Do vidro embaçado do espelho.
Sou quase nada
Quanto à luz do sol
Ao se por detrás do seu sorriso
E nascer preguiçoso
No brilho dos seus olhos
E expandir seu calor nos teus abraços.
Sou tudo, tanto e nada,
Pois o amor é incerteza e fé.

Nairon J. Alves
Novembro, 05, 2012 às 03h19min.