Aos que passam a porta, a brecha,
Vento que transpassa a boca aberta
De quem dorme todo torto no sofá,
Sonhando que compõe e canta
Aos que dançam com o olhar.
Aos que passam a brecha aberta
E que espiam para o lado de lá,
Não imagina toda a conversa,
Canções e sorrisos que se passam no sonho do menino,
Torto e encolhido, deitado no sofá.
Aos que passam a porta e com o olhar dança
E tenta ouvir com esperança
O que tem a dizer o menino que sonha,
Uma realidade inventada em sonho
E construída em amor e calor de cada palavra,
Resumido em um sambinha do menino que sonhava.

Nairon J. Alves
Setembro, 25, 2012 às 11h25min.