O vento traz em seus “talvez”
O dissabor e o gosto amargo,
Mas pare, aliás, não pare,
Espere e supere,
Olhe ao seu lado,
O vento traz em seus “porém” amor,
Rimamos com dor,
Suavizamos a importância,
Mas até a distância se encurta
E escuta um coração partido,
Dá abrigo, calentura,
Até abraços imaginários.
O vento traz em seus abraços
O “estou ao seu lado”
“Não olhe pra trás”
“Ficará tudo bem”.
O vento traz, pro meu coração, o bem,
Meu bem, um afago, alguém!

Nairon J. Alves
Setembro, 18, 2012 às 17h42min.