A flor que canta o vento,
Tão doce em seus lamentos,
Cuja saudade perecível
Ao encontro de um beijo
Do vento que te abraça,
Na noite que vem e passa,
Num lindo mar de tempo.
A flor em oração,
Pede ao cosmos uma opção,
De ser brisa e sentimento,
Para poder correr com o vento,
E se moldar aos seus abraços.
O amor em seu momento,
Fez da flor essência e sentimento,
Cujos lamentos já cessaram
E de perfume se fez ar,
Para em brisa se transformar
E no vento se aninhar
No tempo de se contar
As estrelas do céu e do mar.

Nairon J. Alves
Agosto, 20, 2012 18h01min