Cada flor, que da janela,
Nasce bela e com ela uma canção,
Sento no parapeito
Com os pés pendendo e o desejo de voar,
Passarinho que já não canta,
Mas que me encanta
Por sair de flor em flor a beijar.
Cada flor que nasce é bela
E com ela me faz pensar
Que nada mais me encanta,
Quando ao caminhar de uma nova era,
Da janela te vejo se aproximar.
E sentados no parapeito da janela
Onde a flor que nasce bela
Começa a desabrochar.
E o canto do passarinho
Que já não era,
Com o desejo voltou a ecoar.
Cada flor que nasce é bela,
E dá janela com você,
Eu vejo tudo, eu vejo o mundo,
Até a canção recomeçar.

Nairon J. Alves
Agosto, 06, 2012 às 23h53min