Vou criar um sol pra mim,
Disfarçado de canção de ninar
E vou cantarolar do despertar ao adormecer,
Em todas as manhãs até o anoitecer
Com a essência da inocência embutida em suas rimas,
Tudo tão singelo e sutil, como as noites de luar.
Eu vou criar um sol e um céu azul,
Com cola, papel e lápis de colorir,
E se eu acreditar, sei, que em algum momento,
Ele vai brilhar felicidade no meu caminho.
Como andarilho de sonhos e do amor sincero,
Vou desenhar com caneta nanquim
Uma paisagem em preto e branco,
Com todas as minhas verdades,
Saudades, medos e afins
Mas vou desenhar também meu caminho
E a imensidão do mar em azul
Pra lembrar que sou carinho
Não apenas solidão.
Num passo ou dois, eu sei voltar,
E ao cantarolar meu sol em mi,
Vou ver um céu azul,
E um caminho feito de felicidade
Pois nos meus sonhos ainda existe a inocência,
Da manhã singela ao sutil por do sol
No horizonte do meu ser.

Nairon J. Alves
Novembro, 8, 2011 Às 17h:59