Escrito entre estrelas de uma noite sem luar,
O mar de um amor que a mim pertence
No qual eu quero pertencer, tão insistentemente
Talvez se eu jogar meus sonhos pro ar,
Eu tenha daquela criança contente,
Apesar de não ser criança, pois sente com…
Um coração grande, um sorriso bobo
E uma voz tão doce que mais me lembra,
Lembra a inocência e me faz vê-la como criança,
Assim como a esperança de quem veio antes
Eu sei, que pela idade, olhos serrados, voz cansada,
Mãos tremulas e a fragilidade aparente,
Tem a sabedoria. Sabedoria Que eu adoraria ter
Ter nos meus dias, nos meus passos mal dados.
Mas que não carregue meu fardo
De sonhar com mares que a mim pertence
E sim, me carregar na felicidade
Felicidade essa que seu sorriso transborda,
E que me inunda com o que há de melhor,
Pois, escrito entre estrelas de uma noite sem luar,
Um coração bobo se perdeu no mar de amor,
Dos seus sorrisos.

Nairon J. Alves
Outubro, 14, 2011 às 18h14min