Sorrir a dor de não ter,
E o ter não se desfaz em alegria,
Mas se tem o que tem,
A mim não tem, nisso disfarço.
E mesmo em face desse, enlaço
Me desfaço dos medos nos braços
Melhor, nos seus abraços.
Então, se não me tem,
O que de mim tem de fato?
No escuro do beijo ao tato
Eis aqui o que vejo:
Um passo por vez
Dois braços
Um abraço apertado
Ou talvez,
Um beijo estalado.
Sorrir o amor de se ter,
E o não ter já não é mais dor,
Talvez nem seja amor,
Paixão, mas sei que o que tem
Não é em vão, pois então
Que me abrace,
Mesmo em face desse enlace,
Já não desfarei mais,
Por sua vez,
Se tem o que tem,
E de fato tem de mim,
É seu! O meu amor.

Nairon J. Alves
Outubro, 11, 2011 às 18h34min