Eu sinto uma voz que clama por velhos hábitos
Eu vejo retratos e flashes do passado,
Sinto saudades de cada minuto e não sinto nada,
A dor que tenho é passageira,
A voz que clama é momentânea, transpassa.

O mundo já não é mais o mesmo,
Busco por novos anseios, outra vida,
Partindo de um fim para o novo.

Velhos hábitos felizes já não são mais,
Apegado aos detalhes que por aqui jaz, em mim,
Sinônimos e antônimos de duas vidas, uma só,
Pequenos gestos, pequenos toques, algo.

Jamais esquecerei o brilho em seu olhar,
Sempre me lembrarei da sua forma de sonhar,
Buscarei algo novo pra desejar, uma forma.
Até mais, meu…
Vício.

Nairon J. Alves
Agosto, 23, 2010 às 03h15min