Aos que amam e aos que sofrem de amor
Aos que enganam e aos que vivem de amor
Aos que perderam e aos que não deram amor
É simples o sentimento, mas é tudo

É como o ir e vir das ondas num curto intervalo de tempo
E o vento soando e sussurrando entre as árvores
O ressoar das batidas entre uma pausa e outra
Do coração que acredita
Que acredita que o outro é tudo, ou quase,
Um mundo de amor, calor, um abraço…

Coisas a mais, coisas que voltam e vão
E no vão de coisas banais
Um eu te amo pra cá, outro acolá
E assim as coisas são, ou não, quem sabe?
Talvez eu imagine coisas
Talvez eu veja coisas entre um beijo e um bocejo

Sentimentos olvidados, ignorados com o tempo
Vem comigo, vem lealdade, fidelidade e coisas comuns
Vem pra mim, vem ser o que para os outros não são.

Dá-me sua mão, dá-me sua vida
Dá-me seu coração, seu amor, seu melhor sorriso
E no fim, não deixarei que sofra,
Que sofra por viver de amor, pois viverá de mim
Que perca, pois viverei em você,

Pois em todas as manhãs o sol estará lá
Para nos acordar, e lembrar, que ainda não acabou
E que tudo apenas começou outra vez
É simples, lembra? A sensação?
Mas é tudo, mesmo que confuso.
Vem, serei mais do que um amor pra vida toda.
Ou um sorriso talvez.

Nairon J. Alves