Pra te abraçar

Pra te abraçareu voltei pra te abraçar
hoje não somos plural,
porém não somos singular

a Saudade é maiúscula
a Distância também
a dor é minúscula
e a gente ainda se tem

e pra dizer que te amo
eu te abraço apertado
e permaneço abraçado

então saudade é minúscula
e a distância também
a dor já é nula
e a gente se tem

mas pra te deixar ir
penso sempre no sol em um céu azul
então meu peito se aquece
meu abraço se afrouxa
e tudo se torna vazio
como saudade, como frio

Nairon J. Alves
Junho, 12, 2014 às 01h00min.

Da janela

Da janelaNa rua um homem perdido
Com seu único amigo
Um cão
Perambulando sob o luar

Da janela entrelaçados
Nós dois em nosso abraço
Observamos o homem, o cão
E a lua a passear

A noite, que não tem pressa
Passa como a brisa que a gente sente
Nem muito fria, nem muito quente
Entre o silêncio de dois corações a palpitar

O cão que não ficou
O homem que já se foi
E a lua que se escondeu
Deixou você e eu no silêncio a suspirar.

Nairon J. Alves.
Maio, 27, 2014 às 16h56min.

Consoantes

ConsoantesSão sempre os olhos que mentem
A dor que o peito sente
Com saudade; verdades são sempre um porém

Há quem fique tranquilo
Há quem perca o juízo
Há quem enlouqueça de vez

Eu por um instante
Sou todas as consoantes
E todas as constantes
Tanto, que já me perdi outra vez

Amor dói; amar dói;
Amor cura, me abraça, me segura
Eles não mais mentirão.

Nairon J. Alves
Maio, 17, 2014 às 19h25min.

Cama

CamaJá que você me ama
Pode vir como quiser
Eu deixo a cama feita
A janta pronta
E ao deitar, ainda, te faço um cafuné

Abro a janela e mudo a cama de lugar
De frente pra lua
Com o brilho das estrelas
Eternamente eu vou te amar

Se não quiser ficar
Eu vou deixar você partir
Não te prendo do meu lado
Mas no meu peito eu já prendi

Então saudade toma conta
A cama já está feita
A janta já está pronta
E o meu corpo já espera
O dia que voltar

Nairon J. Alves.
Maio, 15, 2014 às 16h25min.

Meu Peito

Meu peitoEm meu peio há amor
E entre amor há ternura,
Compaixão, sinceridade,
Saudade e um pouco de solidão
Há também um pouco de dor
Tanto quanto há imaginação

Enquanto a dor da saudade é quente,
A dor da tristeza é fria
E por vezes se esgueira
E toma meu peito; meu coração.

Mas em meu peito há um abraço
E outro peito abraçado
Quando nos meus lábios eu não te encontro
É no meu peito que te acho
E me refaço em canção.

Nairon J. Alves
Abril, 27, 2014 às 22h31min.

Claridade

ClaridadeSaberás que meu coração é puro
E que nós somos sussurro
Rompendo aos poucos no silêncio
Entre a vaga claridade no escuro
E o soar de amor em lençóis limpos

No carinho de dias frios
Somos nós saudade e reencontro
E a preguiça que se dá em viver
Quando se tem amor

Então, que se parem as horas
Então, que se amarre o tempo
E que não se viva
Apenas perceba que amor não é triste
Que não envelhece
Que não tem impurezas

Então que se passem as horas,
Que se perca o tempo
Que se abrace na cama
Em meio a lençóis bagunçados
Mas que viva de amor
Enquanto estiver ao meu lado…

Nairon J. Alves
Março, 27, 2014 às 22h45min.

Pintado a mão

Pintado a mãoMeu amor é seu
Assim como meus abraços
Meus beijos
E os laços do meu amor por você

Seu calor é meu,
Como as gotas de desejo
Que saboreio em seus beijos
Que são meus beijos que são seus

Há um certo ponto
Que sou tão seu
E você tão eu
Que ao final nós somos um
Uma melodia que ao raiar do dia
Ressoa quente ou fria entre os cascalhos
[dessa praia de nós dois

Então agora somos dois
Porque somos diferentes
Mas nos amamos, certamente,
Ou seja, no fim, nós somos um amanhecer
[pintado a mão com a nossa cor
Então somos Amor!

Nairon J. Alves
Janeiro, 05, 2014 às 04h32min.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 490 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: